Abstract: Como fazer um bom resumo acadêmico

Tempo de leitura: 7 minutos

Olá, tudo bem? Sentindo uma dificuldade para saber como fazer um bom quando precisa fazer um bom resumo acadêmico? Fique tranquilo. Aqui nós abordaremos algumas técnicas que tornarão o processo de resumo muito mais “técnico” e mais prático, te permitindo ficar seguro de estar no caminho certo. Apresento o que são, como aparecem na NBR 6028, a norma da ABNT que regulamenta resumos acadêmicos em seus diversos tipos: resumo crítico, resumo indicativo, resumo informativo, e três recomendações diferentes para você escolher a que melhor funcionar para você.

O resumo acadêmico

O resumo acadêmico é a maior ferramenta de marketing científico do seu trabalho porque ele é a porta de entrada do leitor para sua pesquisa. Imagina a frustração de ter construído uma pesquisa excelente, metodologicamente criteriosa e correta, e não saber divulgar corretamente a mesma nos meios científicos adequados? Esse pode ser o caso de muitos pesquisadores que podem não ter ideia que o problema não está na pesquisa, mas no meio de divulgação.

Ele é a primeira parte do trabalho que leitores, editores e pareceristas avaliam de seu trabalho (depois ou juntamente com o título), apesar de ser, muitas vezes, negligenciado em sua relevância.

Por vezes, ele é a parte mais importante para definir sua publicação ou não, pelo simples fato de que um resumo mal feito pode ser interpretado como o indicativo de um trabalho mal organizado. Se você fosse um editor/parecerista, faria o mesmo. Imagine que já no início de uma correção você já encontre erros de forma ou apresentação. Imagine que também, você terá que corrigir inúmeros desses, pois você recebeu 300 e precisa selecionar 20. Não acredita que o início da leitura, apresentada no resumo, é um fator crítico para definir a continuidade ou não da consideração do trabalho (como um todo) para continuar no processo seletivo para publicação?

Acho que já te convenci do grau de importância de se executar muito bem o resumo acadêmico, não? Então, vejamos o que ele é e o que deve conter.

Atenção: Todas as citações deste documento são retiradas da NBR 6028, norma da ABNT sobre como fazer resumos.

Tipos de resumo acadêmico

A NBR 6028 define resumo, simplesmente, como a “apresentação concisa dos pontos relevantes de um documento”. A partir dessa definição define 3 tipos de resumos.

  1. Resumo crítico: “Resumo redigido por especialistas com análise crítica de um documento. Também chamado de resenha.”

  2. Resumo indicativo: “Indica apenas os pontos principais do documento, não apresentando dados qualitativos, quantitativos etc. De modo geral, não dispensa a consulta ao original.”

  3. Resumo informativo: “Informa ao leitor finalidades, metodologia, resultados e conclusões do documento, de tal forma que este possa, inclusive, dispensar a consulta ao original.”

Todo resumo deve ser seguido de palavras-chave, definidas pela NBR 6028 como uma “Palavra representativa do conteúdo do documento, escolhida, preferentemente, em vocabulário controlado.” Se não houver indicativo de quantas palavras-chaves podem ser utilizadas, apresentar de 3 a 5. (Cuidar sempre de, em caso de publicações em periódicos e congressos, olhar as especificações normativas respectivas)

Sua extensão

A extensão do resumo acadêmico depende do seu tipo e são contados por palavras ou caracteres (com ou sem espaços). Quando precisar conta-los, selecione o texto e vá em “Ferramentas”, “Contar palavras”, dentro do seu Word). O resumo acadêmico deve ter de 100 a 500 palavras em caso de teses, dissertações, relatórios científicos, trabalhos monográficos, etc; 100 a 200 palavras, em artigos para publicação em periódicos; e de 50 a 100 palavras em artigos destinados a indicações breves. A NBR 6028 não coloca limites de palavras ao resumo crítico ou resenha.

Sugestões para a redação do seu resumo acadêmico

O resumo tem uma característica essencial que é sua objetividade. É pouco espaço textual para condensar uma série de informações. A NBR 6028 afirma que o resumo acadêmico deve ter “o objetivo, o método, os resultados e as conclusões do documento.” O professor Zucolloto, por sua vez, em seu curso “A escrita científica” apresenta um método de resumo composto por 6 partes e o que elas respondem.

  1. Contextualização: a área de pesquisa e a relevância;

  2. A lacuna (gap): o que falta compreender?;

  3. Propósito/objetivo: o que fez (para responder ao gap);

  4. Metodologia: como fez (para responder ao gap);

  5. Resultados: principais resultados;

  6. Conclusão: como os resultados contribuem para a ciência.

Tudo isso a ser identificado no limite de palavras recomendado, em um único parágrafo, em frases concisas. Não use numeração ou tópicos.

O Professor Zucolloto afirma que, em alguns casos, como artigos de revisão, os resumos podem ser compostos de 70% contextualização e 30% lacuna.

Por outro lado, há uma recomendação interessante no livro “Artigo Científico: do desafio à conquista” referente ao quantitativo percentual para a escrita do resumo. A autora Victoria Secaf apresenta que o resumo acadêmico deveria ser 10% de assunto e objetivos; 40% descrição dos materiais e método; e os demais 50% resultados e conclusões.

Já a NBR6028 indica como começar o resumo da seguinte maneira: “primeira frase deve ser significativa, explicando o tema principal do documento” seguida do método ou o que ela chama de categoria de tratamento: ou seja, se é “memória, estudo de caso, análise da situação etc”… Em seguida, apresentar os outros itens que devem estar no resumo “o objetivo, o método, os resultados e as conclusões do documento.”

Outras questões importantes sobre o resumo acadêmico

  • É sempre bom lembrar que qualquer trabalho científico deve seguir a “norma culta e padrão da língua portuguesa”.
  • Resumos não podem conter citações. Se necessário, usar apenas paráfrases.
  • Evite palavras muito abstratas e palavras que são dispensáveis. Lembre-se: precisão, objetividade.
  • Se for para publicação em revistas e congressos, verificar as exigências específicas do congresso.
  • Evite usar as expressões o resumo, o artigo, o autor… – o resumo é para sintetizar a pesquisa e não para apresentar o “making of” dela ou do processo de escrita (Seria expor o “Making of” escrever “o que os pesquisadores fizeram”, “a redação do artigo mostra”…, etc.)
  • Resumos devem ser redigidos em 3ª pessoa: “Deve-se usar o verbo na voz ativa e na terceira pessoa do singular.” Na maioria das ciências, deve-se evitar o plural majestático (nós… observamos, concluímos…) e nunca usar a primeira pessoal do singular, o “eu” (a única exceção que conheço é a Antropologia, com os trabalhos de método etnográfico apresentados em primeira pessoa, eu mesma já os tendo feito).
  • “Devem-se evitar: a) símbolos e contrações que não sejam de uso corrente; b) fórmulas, equações, diagramas etc., que não sejam absolutamente necessários; quando seu emprego for imprescindível, defini-los na primeira vez que aparecerem.”

É isso, espero que esse post lhe seja útil. Excetuando a % do conteúdo, em que valeria escolher qual % faz mais sentido no seu artigo, se a proposta pelo Prof. Zucolloto em casos de artigo de revisão ou da Prof. Victoria Secaf para quaisquer casos, as demais recomendações são complementares e você pode aplicá-las na execução do seu resumo.

Se curtiu, compartilhe no Facebook

Faça parte da fanpage. Inscreva-se no canal do youtube.

Conte-me se este post lhe foi útil ou se resta dúvidas.

Meu trabalho é voltado para resolver a dificuldade dos alunos que estão se debruçando com as angústias e dúvidas dos trabalhos acadêmicos. Realizo aulas particulares para dirimir essas dúvidas. Caso tenha ficado interessado em uma aula comigo, entre em contato pelo email consultoriaemmetodologia@gmail.com. Será um prazer ajudá-lo.

Bonnie

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *